Setembro Verde conscientiza população sobre Doação e Transplante de Órgãos

Setembro Verde conscientiza população sobre Doação e Transplante de Órgãos
Setembro Verde lembra a importância de doar

Hoje é comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos, declarado simbolicamente como “Setembro Verde”. O mês ressalta a importância do ato de doar órgãos ao mesmo tempo em que instituições como o Ministério da Saúde e ONGs ligadas a essa temática, realizam diversas ações para conscientização da população.

O primeiro transplante bem sucedido aconteceu nos Estados Unidos no ano de 1954. Desde então, a medicina avançou expressivamente permitindo diversas intervenções cirúrgicas como os transplantes de coração, fígado, pulmões, pâncreas, pele e córneas.

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), mais de 30 mil pessoas aguardam transplante no país. Em 2017, dados do Ministério da Saúde apresentaram um alto índice de famílias (42%) que recusam a retirada de órgãos de aparentados após o diagnóstico definitivo de morte encefálica. “Essa taxa de recusa familiar está estacionada em quase metade da população desde a década de 1990”, lamenta o candidato a deputado federal Ricardo Izar.

Segundo Izar, o maior desafio enfrentado para quebrar o preconceito com a doação de órgãos é a falta de informação. Pensando nisso, ele e representantes da Associação Brasileira dos Transplantados (ABTx) apresentaram ao Ministério da Educação uma proposta para inserir o tema na grade curricular de escolas de ensino fundamental e médio. “Acreditamos que incluir o assunto “Doação e Transplantes” na pauta educacional representa um caminho para construir uma cultura doadora, porque crianças e adolescentes ajudam a formar opinião em suas residências”.

Hospital comemora 50 anos de transplantes

Em agosto, o Hospital das Clínicas de São Paulo comemorou 50 anos de transplantes. A festa marcou o sucesso de mais de dois mil transplantes bem-sucedidos de fígado no Brasil. Os bons resultados colocaram o país na posição de protagonista nesse campo tecnológico. Em 1988, aconteceu no Hospital das Clínicas o primeiro transplante de fígado entre pessoas vivas do mundo. O procedimento já salvou mais de 50 mil homens e mulheres pelo mundo.

De acordo com especialistas, dificuldades do corpo em aceitar o transplante e a dificuldade no convencimento das famílias em doar órgãos são os maiores problemas enfrentados. No país, a doação de órgãos só ocorre mediante a autorização de familiares de pessoas vitimadas por morte encefálica. O transplante é um procedimento de troca de órgãos ou tecidos, originário de corpos vivos ou mortos. “Precisamos informar e conscientizar a sociedade por meio de campanhas educativas e promover um debate em escala nacional”, afirma Ricardo Izar.

Cadastre-se  aqui

Gostou deste conteúdo? Faça um comentário!

avatar
Fechar Menu