Precisamos falar sobre os impactos do lixo na natureza

Precisamos falar sobre os impactos do lixo na natureza
Lixo no mar

A poluição da natureza, principalmente das águas, está prejudicando a saúde da população, bem como o meio ambiente. O lixo produzido pelo homem é a segunda principal causa de morte de animais marinhos, como as tartarugas.

Lixo nas águas

O lixo acumulado nas praias brasileiras é composto por resíduos de plástico, metais, vidro, papel e seus derivados, como garrafas pet, copos descartáveis, canudos, cotonetes, embalagens, redes de pesca, e corresponde a 95% da sujeira encontrada nos mares do País.

A reaproveitação de materiais é uma das soluções, tendo em vista que alguns podem ser reciclados e transformados em produtos novos, como o vidro, plástico, papel e metais, que economizam energia elétrica, poluem menos e utilizam menos recursos naturais não renováveis para sua fabricação.

Grande parte do lixo produzido pelo homem sobrecarrega o sistema, muitas das substâncias manufaturadas não são biodegradáveis e levam muitos anos para se decompor. Para evitar o excesso de poluição, a reciclagem assume um papel fundamental na preservação do meio ambiente.

Apesar de não ser possível aproveitar todo o lixo produzido, os benefícios sobre os materiais recicláveis resultam positivamente na economia, na sociedade e na natureza.

Estatísticas no Brasil

  • 241.614 toneladas de lixo por dia;
  • 76% são depositados em lixões a céu aberto;
  • 13% em lixões controlados;
  • 10% em aterros sanitários;
  • 0,9% compostados em usinas;
  • 0,1% incinerados;
  • 2% reciclado;
  • 53% orgânico, restos de comida desperdiçada.

Apesar de o Brasil ainda estar atrasado nesse assunto, a conscientização sobre movimento sustentável e em benefício do planeta têm aumentado e possibilita a reutilização de alguns materiais.

Reduzir, reutilizar e reciclar são as palavras que podem mudar essa realidade. Estimular a coleta seletiva é uma alternativa para o primeiro passo em direção para evitar o desperdício e acúmulo de lixo, que aumentam a poluição das cidades, do solo, da água e da natureza como um todo.

Decomposição do Lixo

Tempo de Decomposição dos Resíduos

Papel: 3 a 6 meses

Jornal: 6 meses

Palito de madeira: 6 meses

Toco de cigarro: 20 meses

Nylon: mais de 30 anos

Chicletes: 5 anos

Pedaços de pano: 6 meses a 1 ano

Fralda descartável biodegradável: 1 ano

Fralda descartável comum: 450 anos

Lata e copos de plástico: 50 anos

Lata de aço: 10 anos

Tampas de garrafa: 150 anos

Isopor: 8 anos

Plástico: 100 anos

Garrafa plástica: 400 anos

Pneus: 600 anos

Vidro: 4.000 anos

 

Tempo de decomposição de resíduos em Oceanos

Papel Toalha: 2 a 4 semanas

Caixa de Papelão: 2 meses

Palito de Fósforo: 6 meses

Restos de Frutas: 1 ano

Jornal: 6 meses

Fralda Descartável: 450 anos

Fralda Descartável Biodegradável: 1 ano

Lata de Aço: 10 anos

Lata de Alumínio: não se corrói

Bituca de Cigarro: 2 anos

Copo Plástico: 50 anos

Garrafa Plástica: 400 anos

Camisinha: 300 anos

Pedaço de Madeira Pintada: 13 anos

Bóia de Isopor: 80 anos

Linha de Nylon: 650 anos

Vidro: tempo indeterminado

Lixo radioativo: 250 anos ou mais

Programas de reciclagem precisam virar pautas prioritárias de governos, mas o incentivo para a conscientização e colaboração população também são fundamentais. Depositar energia e tempo em passar conhecimento sobre os efeitos do lixo na natureza é uma iniciativa que deve começar em casa.

Entenda mais sobre os perigos da poluição

Sem o tratamento adequado resultam em problemas sanitários:

  • Doenças (diarreia infecciosa, amebíase, parasitose, entre outras);
  • Abrigo para ratos, baratas, urubus;
  • Contaminação dos lençóis freáticos através do chorume (líquido altamente tóxico que resulta da decomposição da matéria orgânica associada aos metais pesados).

Cadastre-se  aqui

Gostou deste conteúdo? Faça um comentário!

avatar
Fechar Menu