Anda: Projeto visa proibir a morte de cavalos, mulas e jumentos no Brasil

Anda: Projeto visa proibir a morte de cavalos, mulas e jumentos no Brasil

29/8/2014 – O PL aponta que até o ano passado existiam três matadouros legalizados. Um deles é o Prosperidad, em Minas Gerais, reaberto em junho de 2013, com uma meta de matar e processar cerca de mil cavalos/burros por dia. 

g n 324 1i8m - Anda: Projeto visa proibir a morte de cavalos, mulas e jumentos no BrasilO deputado Ricardo Izar (PSD/SP) é autor do Projeto de Lei 5949/2013, que proíbe a morte de equinos (cavalos), equídeos (cavalo, pônei, asno ou burro e as zebras), mulas e jumentos em todo território nacional. De acordo com o deputado, não existe uma criação de cavalos como atividade pecuária, no Brasil, para processamento da carne direcionada ao consumo humano. “Seu abate é feito em decorrência do consumo externo dessa carne ou para o descarte de animais considerados inúteis, vítimas do abandono e da exploração”, esclareceu.

Outro ponto citado pelo parlamentar é a forma de abate do animal. Assim como nos bovinos, é utilizada a pistola de atordoamento. Mas no caso dos cavalos o efeito não é o mesmo, o que gera mais sofrimento à espécie. “É ineficaz quando aplicada a cavalos, por exemplo, nesta espécie o crânio tem proporção diferente a do boi. Com isso é necessário vários tiros, que muitas vezes, são ineficientes para tornar o animal inconsciente antes da sangria. Falam que é um ‘abate humanitário’, mas não é”, explicou. Atordoar o animal antes de assassiná-lo, seja qual for a espécie, não torna sua morte menos violenta ou mais “aceitável”.

O PL aponta que até o ano passado existiam três matadouros legalizados. Um deles é o Prosperidad, em Minas Gerais, reaberto em junho de 2013, com uma meta de matar e processar cerca de mil cavalos/burros por dia. “Não é possível continuarmos a ver essa situação em silêncio e omissos”, disse Ricardo Izar.

Cadastre-se
 
 aqui

Conheça nossos ebooks para download gratuito

Deixe uma resposta

Fechar Menu