Folha de São Paulo: Argôlo tem cinco dias para apresentar defesa na Corregedoria da Câmara

Folha de São Paulo: Argôlo tem cinco dias para apresentar defesa na Corregedoria da Câmara

8/5/2014 – Acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, pivô da Operação Lava Jato, o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) assinou na tarde de hoje o documento em que é citado como investigado na Corregedoria da Câmara.

g n 205 6i4l 2 300x225 - Folha de São Paulo: Argôlo tem cinco dias para apresentar defesa na Corregedoria da Câmara

Acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, pivô da Operação Lava Jato, o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) assinou na tarde de hoje o documento em que é citado como investigado na Corregedoria da Câmara. Ele terá cinco dias para apresentar a sua defesa.

O pedido de investigação foi feito à Corregedoria da Câmara pelo líder do PPS, Rubens Bueno (PR). Ontem, ele questionou o sumiço do colega. “Se ele não deve, o momento de imediato é se defender. Quando alguém se esconde de ser notificado ou não dá a sua devida defesa é porque algo mais grave está acontecendo”, disse.

Segundo a assessoria, ele não deve falar em público e irá se pronunciar apenas na corregedoria, onde ele deve apresentar os contrapontos às denúncias publicadas mostrando o envolvimento dele com Youssef.

Na tarde de hoje, o PSOL apresentou uma representação contra Argôlo no Conselho de Ética da Casa. O colegiado deverá abrir o procedimento para avaliar se o pedido de investigação deve ser aceito ou não. Se os deputados aceitarem a representação, o conselho terá 90 dias para concluir o processo. Se for constatada a quebra de decoro parlamentar, o conselho pode pedir a cassação do mandato do deputado.

O presidente do Conselho, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), afirmou que há uma preocupação em relação ao tempo apertado, já que o recesso parlamentar será realizado em julho e a Câmara deve funcionar mais lentamente durante a Copa do Mundo e o período de campanha para as eleições. Ele levantou a possibilidade de realizar sessões extraordinárias para concluir o processo.

Ontem, o corregedor da Casa, deputado Átila Lins (PSD-AM), afirmou que irá priorizar este processo porque considera o caso grave. “Não posso fazer nenhum prejulgamento mas os indícios são muito fortes sobre o envolvimento dele com o doleiro”, disse.

Depois disso, o corregedor deverá elaborar um parecer sobre o caso indicando se a Casa deve prosseguir com a investigação no Conselho de Ética. Caberá ao presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), decidir se enviará o processo ao conselho.

Ontem, a Folha revelou que relatório da Polícia Federal interceptou mensagens de texto indicando que o deputado pediu dinheiro ao doleiro para pagar gado em seu Estado, na Bahia.

No mês passado, a revista “Veja” publicou que Argôlo pedira R$ 120 mil para Youssef, que transferiu para o chefe de gabinete do deputado. Segundo a revista, Argôlo nega que o LA do relatório policial seja ele.

Cadastre-se
 
 aqui

Conheça nossos ebooks para download gratuito

Deixe uma resposta

Fechar Menu